Pular para o conteúdo principal

Pitágoras e sua Filosofia


Pitágoras e sua Filosofia


O filósofo grego Pitágoras, que deu seu nome a uma ordem de pensadores, religiosos e cientistas, nasceu na ilha de Samos no ano de 582 a.C. A lenda nos informa que ele viajou bastante e que, com certeza, teve contato com as idéias nativas do Egito, da Ásia Menor, da Índia e da China. A parte mais importante de sua vida começou com a sua chegada a Crotona, uma colônia Dórica do sul da Itália, então chamada Magna Grécia, por volta de 529 a.C.
De acordo com a tradição, Pitágoras foi expulso da ilha de Samos, no mar Egeu, pela tirania de Polycrates. Em Crotona ele se tornou o centro de uma organização, largamente difundida, que era, em sua origem, uma irmandade ou uma associação voltada muito mais para a reforma moral da sociedade do que uma escola de filosofia.
A irmandade Pitagórica tinha muito em comum com as comunidades Órficas que buscavam, através de práticas rituais e de abstinências, purificar o espírito dos crentes e permitir que eles se libertassem da “roda dos nascimentos”. Embora o seu objetivo inicial tenha sido muito mais fundar uma ordem religiosa do que um partido político, a Escola de Pitágoras apoiou ativamente os governos aristocratas.
A verdade é que esta Escola chegou a exercer o controle político de várias colônias da Grécia Ocidental, principalmente as existentes no sul da Itália. Foi também a sua influência política que levou ao desmembramento e à dissolução da Escola de Pitágoras. A primeira reação contra os Pitagóricos foi liderada por Cylon e provocou a transferência de Pitágoras de Crotona para a cidade de Metaponto, onde residiu até à sua morte, no final do séc. VI ou no início do séc. V a.C.
Na Magna Grécia, isto é, nas colônias fundadas pelos gregos na Itália, a Ordem Pitagórica se manteve poderosa até à metade do séc. V a.C. A partir daí foi violentamente perseguida, e todos os seus templos foram saqueados e incendiados. Os Pitagóricos remanescentes se refugiaram no exterior: Lysis, por exemplo, foi para Tebas, na Beócia, onde se tornou instrutor de Epaminondas; Filolaus, que segundo a tradição, foi o primeiro a escrever sobre o sistema Pitagórico, também se refugiou em Tebas.
O próprio Filolaus, junto com mais alguns adeptos de Pitágoras, retornou mais tarde à Itália, para a cidade de Tarento, que se tornou a sede da Escola Pitagórica. Entre eles estava Archytas, amigo de Platão, figura proeminente da Escola, não só como filósofo como também como homem de estado, na primeira metade do séc. IV a.C. No entanto, já no final deste século, os Pitagóricos tinham desaparecido, como Escola Filosófica.
A ESCOLA PITAGÓRICA
Parece que, por volta da metade do séc. V a.C., houve uma divisão dentro da Escola, De um lado, estavam os “matemáticos”, representados por nomes do peso de Archytas e Aristoxenus, que estavam interessados nos estudos científicos, especialmente em matemática e na teoria musical; de outro lado estavam os membros mais conservadores da Escola, que se concentravam nos conceitos morais e religiosos, e que eram chamados de akousmatikoi (plural de akousmata, os adeptos das tradições orais). Estes elementos – religiosos e científicos – estavam já presentes nos ensinamentos de Pitágoras.
As doutrinas ensinadas por Pitágoras são as seguintes:
1. – Em primeiro lugar, e acima de tudo, estava a crença de Pitágoras na existência da alma. Ele também acreditava na transmigração das almas dos indivíduos, mesmo entre diferentes espécies. Esta transmigração poderia ocorrer em seres mais ou menos evoluídos. Se um indivíduo tivesse uma vida virtuosa, o seu espírito poderia inclusive se libertar da carne, isto é, deixaria de reencarnar. Este conceito filosófico foi atribuído a Pitágoras por Platão, em sua obra Fédon (que relata os momentos que antecederam a morte de Sócrates pela ingestão de cicuta). Não se pode deixar de ressaltar a importância deste conceito na história das religiões.
2. – Levar uma vida virtuosa consistia em obedecer a certos preceitos, muitos deles vistos hoje como tabus primitivos, como, por exemplo, não comer feijão ou não remexer no fogo com um pedaço de ferro. Estritamente morais eram as três perguntas que cada um devia se fazer ao final do dia, e que eram: Em que é que eu falhei hoje? O que de bom eu deveria ter feito hoje? O que é que eu não fiz hoje e deveria ter feito? Um dos principais meios externos que ajudavam a purificar o espírito era a música.
3. – A fascinação da Escola pelos números deve-se ao seu fundador. A maior descoberta de Pitágoras foi a dependência dos intervalos musicais de certas razões aritméticas existentes entre cordas de comprimentos diferentes, igualmente esticadas. Por exemplo, uma corda com o dobro do comprimento de outra emite a mesma nota musical, mas uma oitava acima, isto é, mais aguda.
Tal fato contribuiu decisivamente para cristalizar a idéia de que “todas as coisas são números, ou podem ser representadas por números”. Este princípio foi a pedra de toque da filosofia de Pitágoras. Em sua obra Metafísica, Aristóteles afirma que os números representavam na filosofia de Pitágoras o que os quatro elementos – Terra/Ar/Fogo/Água representaram no simbolismo de outros sistemas religiosos. De acordo com este princípio, todo o universo poderia ser reduzido a uma ”escala musical e a um número”. Assim, coisas como a razão, a justiça e o casamento, poderiam ser identificadas com diferentes números. Os próprios números, sendo ímpares e pares, ou limitados e ilimitados, de acordo com Aristóteles, se constituíam na primeira definição das noções de forma e de matéria.
Os números um e dois encabeçavam a lista dos dez primeiros pares de opostos fundamentais, dos quais os oito pares seguintes eram “um” e “muitos”, “direita e esquerda”, “masculino e feminino”, “repouso e movimento”, “reto e curvo”, “luz e escuridão”, “bom e mau” e “quadrado e oblongo”. Esta era a filosofia do dualismo metafísico e moral, através da qual se chegou ao princípio que via o universo como a harmonia dos opostos, no qual “o um” gerou toda a serie de números existentes.
Assim, a música e a crença no paraíso estelar, (originalmente associados à Astrologia da Babilônia) são os pontos de união entre o conteúdo religioso da filosofia de Pitágoras com os estudos matemáticos e científicos realizados mais tarde pela ala científica de sua Escola. O primeiro a apresentar um sistema compreensivo foi Filolaus, um de seus discípulos.
A ARITMÉTICA PITAGÓRICA
Para Pitágoras a Divindade, ou Logos, era o Centro da Unidade e da Harmonia. Ele ensinava que a Unidade, sendo indivisível, não é um número. Esta é a razão porque se exigia do candidato à admissão na Escola Pitagórica a condição de já haver estudado Aritmética, Astronomia, Geometria e Música, consideradas as quatro divisões da Matemática. Explica-se também assim porque os Pitagóricos afirmavam que a doutrina dos números, a mais importante do Esoterismo, fora revelada ao Homem pela Divindade, e que o Mundo passara do Caos à Ordem pela ação do Som e da Harmonia. A unidade ou 1 (que significava mais do que um número) era identificada por um ponto, o 2 por uma linha, o três por uma superfície e o quatro por um sólido. A Tetraktys, pela qual os Pitagóricos passaram a jurar, era uma figura do tipo abaixo:
tetraksys-pontos
representando o número triangular 10 e mostrando sua composição como sendo 1 + 2 + 3 + 4 = 10. Adicionando-se uma fileira de cinco pontos teremos o próximo número triangular de lado cinco, e assim por diante. Mostrando que a soma de qualquer série de números naturais que comece pelo número 1 é um número triangular. A soma dos números de qualquer série numérica composta por números ímpares e que comece por 2 é um número quadrado. E a soma dos números de qualquer série numérica de números pares que comece pelo número 2 é um número oblongo, ou retangular.
Este é o princípio matemático que levou à 47ª Proposição de Euclides, o matemático grego que divulgou o Teorema de Pitágoras, pelo qual o quadrado da hipotenusa de um triângulo retângulo é igual à soma dos quadrados dos dois outros lados, ou catetos. A demonstração deste teorema é a Jóia do Ex-Venerável mais recente de uma Loja Maçônica, em homenagem a Pitágoras, e que simboliza a doutrina científica e esotérica de sua Escola de Filosofia. O mesmo raciocínio usado na formulação do teorema acima, quando o triângulo retângulo é isósceles, (com catetos ou lados iguais) levou os Pitagóricos a descobrir os números irracionais, como, por exemplo, a raiz do número 2, que é igual a 1,4142,,,, (dízima periódica).
A GEOMETRIA PITAGÓRICA
Em Geometria não se pode obter uma figura totalmente perfeita, nem com uma, nem com duas linhas retas. Mas três linhas retas em conjunção produzem um triângulo, a figura absolutamente perfeita. Por isso é que o triângulo sempre simbolizou o Eterno – a primeira perfeição, o Grande Arquiteto do Universo. A palavra que designa a Divindade principia, em todas as línguas latinas, por um D, e em grego por um “delta”, ou triângulo, cujos lados representam a natureza divina. No centro do triângulo está a letra Yod , inicial de Jehovah – o Criador, expresso nos idiomas teuto-saxônicos pela letra G, inicial de God, Got ou Gottam, cujo significado filosófico é geração.
Numerosas – e valiosas – foram as contribuições da Escola de Pitágoras no campo da Geometria. Assim, por exemplo, a demonstração de que a soma dos ângulos internos de um triângulo é igual a dois ângulos retos, ou 180 graus. Também formularam a teoria das proporções e descobriram as médias aritmética, geométrica e harmônica. Foi ainda Pitágoras quem descobriu a construção geométrica dos cinco sólidos regulares, isto é, o tetraedro ou pirâmide de quatro lados, o octaedro, o dodecaedro e o icosaedro. A construção do dodecaedro requer a construção de um pentágono regular, também conhecida dos Pitagóricos, que usavam o Pentagrama ou Estrela Pentagonal ou Flamígera, como símbolo de reconhecimento entre os seus membros.
Em resumo, a Geometria Pitagórica cobriu todos os assuntos da obra de Euclides, que compilou e registrou todo o conhecimento existente nesta área, na antiga Grécia.
A ASTRONOMIA PITAGÓRICA
Pitágoras foi o primeiro a afirmar que a Terra e o Universo tinham forma esférica. Ele também anteviu que o Sol, a Lua e os Planetas então conhecidos possuíam um movimento de translação, independente do movimento de rotação diário. A Escola de Pitágoras desenvolveu também um sistema astronômico, conhecido como sistema Pitagórico. A última versão deste sistema, atribuída aos discípulos Filolau e Hicetas de Syracusa, deslocava a Terra do centro do Universo, e fez dela um planeta do mesmo modo que os planetas então conhecidos, que giravam em torno do fogo central – o Sol. Este sistema, elaborado cerca de 400 a.C., antecipou em cerca de 2.000 anos os mesmos princípios defendidos por Galileu Galilei, pelos quais foi condenado pela Santa Inquisição. Galileu demonstrou a base científica do sistema, a partir da qual Copérnico e Kepler iriam comprovar que era o Sol e não a Terra o centro da Via Láctea – a nossa Galáxia.
A MÚSICA PITAGÓRICA
Pitágoras não só utilizava a música para criar uma inefável aura de mistério sobre si mesmo, como também para desenvolver a união na sua Escola. A música instruía os discípulos e purificava suas faculdades psíquicas. Na educação, a música era vista como disciplina moral porque atuava como freio à agressividade do ser humano. Pitágoras considerava a música o elo de ligação entre o homem e o cosmos. O Cosmos era para ele uma vasta razão harmônica que, por sua vez, se constituía de razões menores, cujo conjunto formava a harmonia cósmica, ou harmonia das esferas, que só ele conseguia ouvir.
.
Pitágoras, avatar do deus Apolo, compunha e tocava para seus discípulos a sua lira de sete cordas. Deste modo ele refreava paixões como a angústia, a raiva, o ciúme, anseios, a preguiça e a impetuosidade. A música era uma terapia que ele aplicava não só para tranqüilizar as mentes inquietas, mas também para curar os doentes de seus males físicos.
Pitágoras foi o descobridor dos fundamentos matemáticos das consonâncias musicais. A partir daí, ele visualizou uma relação mística entre a aritmética, a geometria, a música e a astronomia, ou seja, havia uma relação que ligava os números às formas, aos sons e aos corpos celestes. A Tetraktys era o símbolo da música cósmica, e Pitágoras, como o deus da Tetraktys, era a única pessoa que podia ouvi-la. A teoria da música cósmica, ou harmonia das esferas foi descrita por Platão, no Timeu. Filolau, outro notável discípulo de Pitágoras também faz descrição minuciosa da teoria que resulta na música cósmica e na harmonia das esferas (ou planetas).
A HERANÇA DE PITÁGORAS
A história posterior da filosofia de Pitágoras se confunde com a da Escola de Platão, discípulo de Sócrates e mestre de Aristóteles, e que foi também ardente admirador e discípulo de Pitágoras. Platão herdou, de um lado, as doutrinas de seu mestre e, de outro, bebeu a sua sabedoria nas mesmas fontes do filósofo de Samos. Segundo Amônio Sacas, toda a Religião-Sabedoria estava contida nos Livros de Thot (Hermes), onde Pitágoras e Platão beberam os seus conhecimentos e grande parte de sua filosofia.
Desde os primeiros séculos da era cristã que é comprovada a existência, em Roma, das práticas e doutrinas religiosas de Pitágoras, principalmente as relacionadas com a imortalidade da alma. Pitágoras disputava então, com outras religiões, um lugar predominante no panteão da Roma Imperial. A comprová-lo as capelas pitagóricas descobertas pela arqueologia, nas quais os iniciados aprendiam os mistérios de Pitágoras, e onde eram introduzidos no culto de Apolo.
.
Os afrescos encontrados no sub-solo da Porta Maggiore, em Roma, mostram temas Pitagóricos. O nacionalismo romano também está ligado a Pitágoras através da obra Metamorfoses, de Ovídio, que nela relatou a teoria da reencarnação, defendida pelo filósofo de Samos. Os discípulos diretos de Platão também retornaram aos princípios Pitagóricos; e os neo-Platônicos, com Jâmblico, no séc. IV d.C. também os adotaram, juntamente com os mais recentes escritos Pitagóricos, isto é, os Hinos Órficos. Do séc. I d.C. ao séc. VI d.C. a doutrina de Pitágoras influenciou grandes filósofos que escreveram e divulgaram a sua filosofia. Alguns deles foram Apolônio de Tiana, Plotino, Amélio e Porfírio.
Depois que os cristãos conquistaram, no séc. IV d.C. o controle do Estado, os Pitagóricos tornaram-se, gradualmente, uma minoria perseguida. No entanto, as idéias de Pitágoras continuaram a ser pregadas na antiga escola de Platão, a Academia de Atenas, e em Alexandria, até que no séc. VI d.C. Justiniano, imperador do Oriente, fechou a Academia e proibiu a pregação da filosofia e das doutrinas consideradas pagãs pelo catolicismo. A partir desta época prevaleceu a era do obscurantismo da Idade Média. Mas as doutrinas de Pitágoras foram abertamente pregadas por um período de 1.200 anos, que se estende do séc. VI a.C. ao sec. VI d.C.
Apesar de perseguido pela religião oficial Pitágoras foi, para grandes figuras do Catolicismo, como Santo Ambrósio, uma figura de referência por ter sido visto como intermediário entre Moisés e Platão, No séc. XVI, de acordo como o interesse do autor, Pitágoras era apresentado como poeta, como mágico, como autor da Cabala, como matemático, ou como defensor da vida contemplativa. Rafael, famoso pintor italiano, retratou Pitágoras como um homem idoso, de longas barbas, entre filósofos, no quadro “Escola de Atenas”.
Embora remotamente, não podemos deixar de registrar a existência de pontos comuns entre a filosofia de Pitágoras e o sistema Positivista de August Comte. Pitágoras, racionalista, procurou explicar a cosmogonia universal através da ciência. Comte trilhou caminho semelhante. Antes de tudo, Pitágoras buscou o conhecimento da Verdade e só por isso já deve ser reverenciado por toda a Humanidade
BIBLIOGRAFIA
Pitágoras – Amante da Sabedoria – Ward Rutherford – Editora Mercúrio – São Paulo
Pitágoras – Uma Vida – Peter Gorman – Editora Pensamento – São Paulo
A Doutrina Secreta -Volumes II e V – H.P.Blavatsky – Editora Pensamento – São Paulo
Grande Dicionário Enciclopédico de Maçonaria e Simbologia – Nicola Aslan – Artenova – Rio
A Simbólica Maçônica – Jules Boucher – Editora Pensamento – São Paulo
Maçonnerie Occulte et L’Initiation Hermétique – J.M.Ragon – Cahiers Astrologiques – Paris
Diálogos – Platão – Abril Cultural – São Paulo

Gostou do texto?

CONHEÇA O LIVRO NUMEROLOGIA DA ALMA

 Conheça o Livro Numerologia da Alma
   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A objetividade do numero 1

Número 1 O número 1 é o impulso, o primeiro passo, o início de tudo. Absoluto e solitário, tudo gira ao seu redor, o único que pode existir sozinho, ele vem de si mesmo. Ele rasga o silêncio do nada e do conformismo, ele fere e incomoda. É a essência da expressão e da vida, o desejo intenso que se expressa na busca de um objetivo... Mas ele é imaturo e desconhece os riscos e obstáculos do caminho. E muitas vezes será alvo de críticas e julgamentos, principalmente dos acomodados. Por ser o primeiro, ele acaba sendo seguido e lidera movimentos de mudança. Ele divide de um lado os que o apoiam e do outro os que não compreendem. Minha experiência me mostra que algo neste líder representa uma necessidade de agir, de decidir e sair de cima do muro, de ter a coragem, de se arriscar e perder o medo da crítica. Em sua volta  às pessoas esperam sua iniciativa. Depois que ele age, vem os aplausos e as criticas, mas antes havia o silêncio e a continuidade de

Conheça a Alma dos Números e um Novo Caminho se Abrirá

A Numerologia da Alma é uma metodologia desenvolvida pelo mestre Gilberto Gonçalves a partir da Numerologia Pitagórica, que analisa os números sob uma visão psico-espiritual, dando ênfase a busca da "alma dos numeros" para revelar os planos da alma para a vida. A partir desta comprensão o indivíduo se torna capaz de compreender melhor a si mesmo, conhecendo seus desafios, seus talentos e forças que traz dentro de si, os planos de sua alma para esta vida e qual a missão foi programada para ser cumprida e quais valores deve desenvolver para cumprir esta missão. De acordo com a Visão Pitagórica, os números são a linguagem da natureza que expressam assim a Harmonia universal. Ao compreender estes simbolos somos capazes de "ouvir" ou "ler" o que a vida quer nos dizer, e ao confirma-los através da nossa propria reflexão interior nos tornamos auxiliares da vida na construção de nós mesmos. O estudo da Numerologia da Alma promove a expansão do nível de consciênci

Numerologia – A Personalidade de Quem Nasce no dia 22

Nascidos num dia 22 Aqueles que nasceram num dia 22 trouxeram para esta vida os dons de mestre educador e sábio conselheiro, devendo usar os seus talentos para incentivar a prática de ações humanitárias. Eles são ótimos planejadores e habilidosos construtores, sabendo idealizar a obra na mente e concretizá-la fisicamente. Eles funcionam muito bem, tanto no mundo dos negócios, como na área educacional, passando conhecimentos. Essas pessoas são muito emotivas mas também práticas, precisando controlar suas emoções e atividades, de modo a evitar estresses nervosos. Elas se dão muito bem quando direcionam as suas ações para atividades que contemplam a muita gente, podendo promover grandes obras beneficentes com larga repercussão no mundo. Elas vivem tendo pressentimentos e intuições que deverão ser seguidas sem vacilação, por conterem verdades que estão ocultas aos olhos físicos e à mente racional. Os acontecimentos na vida dessas pessoas costumam acontecer em dobro, o que deve

Numerologia – A Personalidade de Quem Nasce no dia 23

Nascidos num dia 23 Aqueles que nasceram num dia 23 não costumam ter afinidades com as atividades comerciais e rotineiras. Eles pensam com rapidez e agem com um dinamismo fora do comum, como todos que são regidos por números que somados dão 5. Essas pessoas gostam de pensar, adoram usar a mente para analisar os outros e são imensamente criativas no uso de argumentos que convençam a todos da exatidão de suas teses. Quem nasce nesse dia costuma ter uma personalidade sedutora, que encanta a todos, especialmente às pessoas do sexo oposto. Isto pode torná-los eternos conquistadores, sempre envolvidos com casos amorosos e mergulhados em atividades sociais. O seu tempo, porém, não deveria ser desperdiçado com aventuras e conquistas, mas com ações construtivas que os tornassem reconhecidos e afamados, pois eles precisam se orgulhar de suas realizações. As atividades físicas em geral atraem essas pessoas, especialmente aquelas que unem a ação ao pensamento, através de atividades dinâm

Número 11 - O líder servidor

Numero 11 O 9 põe a mão na massa, O dez é um salto e o 11 Potencializa o amor. O 9 é uma energia muito necessária nesse momento que passamos, onde a visão da maioria não ultrapassa as paredes de casa... Porém a energia do 11 (sempre a vibração daqueles que estão mais na frente em algum aspecto) é fundamental para alimentar de esperança e de energia, de conhecimento e de apoio, aqueles que trabalham e não tem muito tempo para filosofar. Ao mesmo tempo, o 11 inspira aqueles que estão quase despertando, e guiam os que despertaram e procuram uma luz. O 11 potencializa o amor, a dedicação e o cuidado do 2. Ou seria o 2 potencializado pela vivência e sabedoria. (Silvia Fittipaldi) O Dez é um salto. Acredito porque completou todo o ciclo inicial, é a soma do 1 + 2 + 3 + 4 (no Tetraktys), que simbolizam respectivamente: a mônada, a dualidade, a criação, a matéria. Esse conjunto forma o todo. E esse todo Pitágoras chama Deus. E por isso ele considera o 10 o número de Deus. Se

Numero 10 - A conquista de si mesmo

Numero 10 Bom dia! Hoje é um dia 10! Vamos tirar 10? Precisamos correr atrás de um 10? Ai que emoção, que ansiedade a competição, até interna, por aprovação. E mais que isso, ser o ou a MELHOR! O ZERO potencializa o efeito do número que o antecede? Representa a mudança de nível na  evolução, como o progresso de um ponto ao longo de uma espiral? O número 10 é representado no Tetraktys de Pitágoras como o número "resumo" de Deus, ou todo: 1 + 2 + 3 + 4 = 10 - o triângulo perfeito representa o todo, a partir do 1, a mônada, passando pela dualidade, o 2, o início da vida, o 3, até chegar na matéria, o 4. E essas quatro dimensões somadas formam o todo. Por isso essa visão totalizadora e individualista do 10. Na aula sobre talentos natos, o mestre Gilberto finaliza alertando "A conclusão a que se chega é que as pessoas do dia 10 são líderes muito poderosas e com fortes tendências solitárias, como se a presença do zero, junto ao número 1, lhes

Número 13 - O tradicional criativo

Número 13 Devemos pensar que um 13 como resultado final pode ser visto como um 10+3 , o que nos remete de novo a ideia da maturidade (10) que sabe que precisa dar um sentido pratico a sua criatividade(3) através do trabalho(4). O treze recomenda agir com cautela (4) e pés no chão para evitar devaneios (3) e procrastinação  e trabalhar duro para evitar a preguiça. A riqueza de ideias é criadora e multiplicadora de possibilidades. Uma mais bela que a outra e cada uma apontando um novo caminho. Queremos ficar com todas não é mesmo? Mas enquanto não fizermos uma escolha e seguirmos um caminho de cada vez, nada se constrói efetivamente. Urge então fechar provisoriamente  esta fábrica multiplicadora de sonhos e devaneios, e para isso  precisamos primeiro cercar  para permitir a fixação da massa que sustentará as estruturas. Mas é claro que precisamos de muito cuidado para não endurecer demais e secar totalmente nossa fonte, ou em outras palavras tornaria a pessoa rígida

Numerologia – A Personalidade de Quem Nasce no dia 7

Nascidos num dia 7 Aqueles que nasceram num dia 7 são intelectuais, detalhistas e de tendências solitárias. Por isso, é muito comum encontrá-los em atividades científicas, unindo o seu poder mental com o prazer de trabalhar a sós. Eles conseguem uma união perfeita do intelecto com a intuição, o que os tornam, ao mesmo tempo, cientistas e místicos. Essas pessoas que nasceram num dia 7 são muito sensíveis e retraídas, e dão preferência a viverem sozinhas, não apenas por suas vocações solitárias, mas também para não terem de conviver com ordens e decisões alheias. Elas não se adaptam bem a quaisquer formas de sociedade, principalmente se tiverem de dividir o poder meio a meio com o sócio. Devido à sua profunda capacidade de concentração e análise, essas pessoas tendem a ser auto centralizadoras e teimosas, pois só se convencem do que sejam capazes de entender e controlar. Por isso, adiantam muito pouco os conselhos e as experiências alheias, para fazê-las mudarem de ideia. Um ou

O Número 12 está em cena

Numero 12 Sim, o doze está em cena trazendo bem explícito sua individualidade e sua sensibilidade e alegria, nos levando a despertar também nossa expontaneiadade... O líder se permitiu a insegurança da dúvida. Agora mais consciente e maduro ele reconhece suas fraquezas e as espoe sem perder sua força. E daí pode surgir uma nova possibilidade de abrir novos caminhos... Responsabilidade com liberdade(4x3) Agora as possibilidades se multiplicam diante do grau de maturidade. O líder agora tem mais consciência e pode ter mais liberdade sem deixar de seguir certos limites que são importantes. Começam então a ser criados os raios internos que permitem lidar com a diversidade sem perder o foco. A Divisão em 4 quadrantes, e cada quadrante dividido em 3 níveis, o básico, o avançado e superior ou mestrado. Dividir para facilitar, mas deixar uma margem e espaço de criação dentro de certos limites. Dar liberdade com maior responsabilidade sem uma cobrança mais incisiva.

Numerologia – A Personalidade de Quem Nasce no dia 15

Nascidos num dia 15 Aqueles que nasceram num dia 15 amam a família e o lar. Essas pessoas podem tornar-se ótimos pais, mães, esposas e maridos, por serem muito responsáveis e atuantes. Como professores, seriam amorosos e inovadores, lidando com os alunos, como se fossem seus filhos. Os nascidos nesse dia atraem boas oportunidades de ganhos financeiros, mas precisam controlar os seus impulsos de teimosia e dominação, que podem criar-lhes problemas nos negócios. Eles costumam aprender tudo com muita facilidade, através da observação e das tentativas de acerto, já que não têm muita paciência para estudos ou pesquisas. Elas são pessoas de grande vitalidade, permanecendo muito ativas e com aparência jovem, mesmo em idade mais avançada. As mulheres costumam ser boas cozinheiras, mas se recusam a seguir receitas, preferindo o improviso na hora de dosar as medidas ou de escolher os ingredientes. Elas também se sentem muito atraídas pela arte, especialmente pela música, cantando ou